Como lidar com a Síndrome do Ninho Vazio?

O ciclo da vida faz com que, naturalmente, os filhos, depois de criados, saiam de casa para viverem sua independência. Seja porque passaram no vestibular em outra cidade ou porque vão se casar ou devido à conquista do emprego dos sonhos. Normalmente, apesar dessas conquistas serem comemoradas por todos, muitas vezes os pais acabam por criarem um sentimento de abandono.

O que acontece é que a saudade se torna um sentimento exagerado e difícil de lidar, fazendo com que os pais se sintam tristes mesmo sabendo que é uma nova etapa para os filhos: a fase de iniciarem uma vida adulta independente. Essa é a chamada Síndrome do Ninho Vazio. Veja neste post como lidar com ela:

  1. Incidência

Normalmente, a síndrome é mais incidente em mulheres, pois elas, em sua maioria, passam mais tempo em casa com os filhos. Muitas vezes, elas acabam por determinar a rotina familiar, tendo assim vínculos mais fortes com os filhos.

  1. Síndrome do Ninho Vazio

Para especialistas, é uma crise existencial passageira dependendo da personalidade da mulher e da quantidade de filhos. Normalmente, as mães se sentem sozinhas ou até mesmo abandonadas, quando os filhos deixam o lar para trabalhar ou estudar fora. A ausência dos filhos em casa ocasiona um excessivo sentimento de tristeza e vazio.

Esses sintomas acabam afastando a pessoa de seu círculo social, pois muitas vezes ela se sente fracassada por demonstrar os seus problemas, preferindo sofrer calada.

A ajuda acontece quando o assunto é compartilhado, pois a pessoa que sofre da Síndrome do Ninho Vazio costuma guardar muita coisa para si. Temos a seguir algumas dicas de como lidar melhor com essa problemática:

  • Falar do assunto é essencial: o primeiro passo para melhorar é colocar para fora os sentimentos que estão afligindo. No início, é difícil compartilhar tanta dor, por isso algumas pessoas buscam ajuda de psicólogos ou de alguém mais próximo para superar o difícil momento;
  • Atividades prazerosas: ao longo da vida, as pessoas sempre sentem o desejo de realizar determinadas atividades que lhes dão prazer, mas as exigências diárias, às vezes, fazem com que elas terminem sendo adiadas. Faça uma lista de todas as atividades que você gosta e se prepare para começar a fazê-las;
  • Cuidar de si também é importante: sabemos que os pais deixam de se cuidar para dar 100% de atenção aos filhos, mas, quando eles se vão, o cuidado pessoal deve ser retomado como auxiliador na superação da saída de casa pelos filhos;
  • Espaço é bom e todos gostam: estimule a independência dos filhos e não invada o espaço deles. Deixar que eles resolvam os problemas relacionados à vida adulta é ótimo para a autonomia deles como seres humanos. Evite ligações exageradas;
  • Companheirismo no relacionamento: os filhos, muitas vezes, tomam parte do tempo que antes era destinado ao marido ou esposa, já que a dedicação a eles é bem maior. Porém, os filhos cresceram e saíram de casa e é chegada a hora de se voltar para o companheiro (a). Ele (a) dará a força nesse momento de dificuldade longe dos filhos. É importante que os pais saibam que agora é a vez deles de desfrutar dos bons momentos que a vida lhe propicia, sem a preocupação excessiva para com os filhos.

A Síndrome do Ninho Vazio está intrinsecamente ligada à cultura de cada país. Há lugares onde as pessoas estão preparadas para se separarem dos filhos e outros não. Este problema pode existir em locais onde a dedicação da mulher à criação dos filhos se torna obrigatória.

A separação entre pais e filhos não é um momento fácil para os pais mais apegados, mas sabemos que é uma ocasião de alegria para eles e deve ser compartilhada com todos. Se você sentir tristeza profunda, fale com alguém e busque ajuda.

E você? Já sofreu de Síndrome do Ninho Vazio? Conte para nós como foi e o que fez para superá-la!


Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*